Avançar para o conteúdo principal

Eu e as redes sociais OU como já não tenho paciência para elas

Tenho Facebook, já tive Twitter, tenho conta no YouTube, tenho WhatsApp e vou activando e desactivando o meu Instagram. O Instagram é a minha relação com redes sociais mais complicada.
Criei a minha conta do Insta em 2014 e desde aí tornei-me bastante activa na publicação de fotos, especialmente de fotos de viagens que fui fazendo. Depois comecei a seguir demasiadas contas e isso distraía-me demais e perdia imenso tempo a ver fotografias de tudo e mais alguma coisa. Algures em 2017 desactivei a conta durante uns meses. Quando fui de viagem nesse ano, voltei a activá-la e ia publicando algumas fotos. Depois disso cancelei-a novamente e há uma semana por insistência de algumas colegas minhas do aeroporto activei-a porque elas haviam partilhado fotos comigo e eu queria estar a par.
Hoje apaguei-a novamente.
Se o Instagram me foi importante numa determinada altura da minha vida, hoje já não me traz qualquer prazer. Sinto que perco tempo a ver fotos de outras pessoas, que na realidade não me interessam para nada. Hoje mantenho apenas a minha conta no Facebook. Apenas o tenho porque partilho álbuns das minhas viagens, e porque por vezes me facilita o contacto com algumas pessoas. Além de ainda o ter por mera cusquice, para ir sabendo o que os meus conhecidos andam a fazer.
Isto até ao dia em que o Face me deixe de dizer alguma coisa. Sinto-me cada vez mais próxima do dia em que o apagarei. Já o fiz duas vezes. E nesse tempo em que esteve desactivado, senti-me livre, aliviada.... Por vezes sinto que as redes sociais me sufocam. Certo... não tenho a obrigação de lá ir mas só o facto de as ter e de saber que existem, causa-me um certo desconforto.
Há-de chegar o dia em que serei totalmente livre de redes sociais. Talvez amanhã. Mas depois penso que já não partilharei os meus álbuns de viagens. E depois fico a pensar se isso interessará realmente a alguém, o facto de eu ir a Berlim, a Dublin, a Roma, a Veneza, a Amesterdão, a Londres... Isso interessa a mais alguém senão a mim mesma? Provalmente não. E estou certa de que não interessa nada... Estou à procura de quê? De likes? E isso leva-me onde? Ficarei satisfeita com um like a uma foto que levei 3 segundos a tirar na Cidade do Vaticano ou a fazer poses tontas na Torre de Pisa? É para demonstrar que sou uma pessoa viajada, que vou a muitos sítios? Quem me conhece sabe que sim, que viajo e que estou sempre a planear onde irei a seguir.
Estou certa de que a minha vida só me interessa a mim e aos meus. Não me interessam os likes, os comentários, os pedidos de amizade. Não me interessa nada disso e por que é que ainda estou presa a esta rede social? Deem-me mais um tempo para me convencer que é chegada a hora de me desfazer do Facebook.
E sem medos clicarei no botão "desactivar a minha conta", e espero que ela não me pregue uma rasteira e se active automaticamente daí a um tempo.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

As Aventuras de Tsuki

Deu-me para isto: o jogo As Aventuras de Tsuki, da HyperBeard Games. Um jogo de aventuras passivo, como explicam na loja onde o descarreguei gratuitamente para o meu telemóvel. E o que é um jogo passivo? Ora bem, aqui não se passa nada, é um jogo em tempo real, vamos executando algumas ações e o Tsuki, o coelhinho mais fofo na história dos jogos, fica entretido com elas. Agora é frequente apanharem-me nos meus momentos mortos a ir apanhar as cenouras que o coelhito deixou plantadas, ou a ir  beber um chá de matcha ou a comer um lámen do restaurante do Bobi.

Adeus Natal

Ontem foi Dia de Reis, e com ele desfazem-se árvores de Natal, retiram-se as luzes e todas as decoracões. Termina a época dos doces em exagero e dizemos também adeus às músicas natalícias.
Ontem não toquei em nada porque queria gozar esta época até à última oportunidade mas hoje acordei com uma vontade férrea de reorganizar a minha casa.  E assim foi.
Foi rápida a arrumação  e ver a casa toda limpa e organizada conferiu-lhe um ar fresco.
No final do ano há mais!

Countdown

O antes e o depois de uma viagem. O entusiasmo, a expectativa do desconhecido, o querer aventuras...
Faço uma viagem por ano para fora do país e estou a 24 horas de voltar a meter os pés dentro de um avião. Ok, trabalho no aeroporto e quase todos os dias entro dentro de aviões. Mas desta vez, e pela primeira vez desde que aqui trabalho, vou mesmo viajar.
E amanhã estarei atenta ao trabalho das colegas na Porta de Embarque.
Nantes aí vou eu, e prepara-te que farei aí 35 anos :-)