Avançar para o conteúdo principal

[Murakami]


Estar há quase 1 ano a ler um livro de um autor que adoramos, neste caso trata-se de Murakami, torna-se algo embaraçoso especialmente para alguém que tem hábitos de leitura desde que nasceu, praticamente. 
Ora, ando a ler "A Rapariga que Inventou um Sonho" desde Março. Trata-se de uma compilação de contos de o autor japonês escreveu entre 1981 e 2005 onde o insólito e o bizarro predomina. 
Numa altura em que me falta apenas 1 conto para terminar o dito livro, houve um que me prendeu a atenção, especialmente devido a ideias que os personagens teorizam... Embora não seja pessoa que goste particularmente de contos, não podia deixar passar este livro do autor. 

Ora, como dizia e antes de me perder em delongas sobre o autor, destaco o conto "A pedra em forma de rim que mudava de lugar todos os dias". Se é surreal? Podem crer que sim! Mas este ficou-me na mente por uns dias enquanto não me dedicava às restantes histórias. Ora vamos lá...

"Entre as mulheres que um homem encontra na vida, só três é que têm significado para ele", disse o pai do personagem principal do conto. E fiquei a matutar nisto, será verdade? As pessoas realmente importantes na nossa vida e que por vários motivos desaparecem (ou não), contam-se pelos dedos de uma mão? É apenas uma teoria, mas é uma teoria interessante... E à medida que a história avança, o personagem principal, Junpei, questiona-se se já terá encontrado alguma destas mulheres. No decorrer do conto, percebemos que conheceu já duas e se prepara para a terceira que, como ele diz: "o que importa é tomar a decisão de aceitar a outra pessoa totalmente, do fundo do coração. E tem sempre de acontecer como se fosse a primeira e a última vez".

E se Murakami não é um génio da literatura com estas teorias, digam-me quem é, por favor!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Countdown

O antes e o depois de uma viagem. O entusiasmo, a expectativa do desconhecido, o querer aventuras...
Faço uma viagem por ano para fora do país e estou a 24 horas de voltar a meter os pés dentro de um avião. Ok, trabalho no aeroporto e quase todos os dias entro dentro de aviões. Mas desta vez, e pela primeira vez desde que aqui trabalho, vou mesmo viajar.
E amanhã estarei atenta ao trabalho das colegas na Porta de Embarque.
Nantes aí vou eu, e prepara-te que farei aí 35 anos :-)

Eu e as redes sociais OU como já não tenho paciência para elas

Tenho Facebook, já tive Twitter, tenho conta no YouTube, tenho WhatsApp e vou activando e desactivando o meu Instagram. O Instagram é a minha relação com redes sociais mais complicada. Criei a minha conta do Insta em 2014 e desde aí tornei-me bastante activa na publicação de fotos, especialmente de fotos de viagens que fui fazendo. Depois comecei a seguir demasiadas contas e isso distraía-me demais e perdia imenso tempo a ver fotografias de tudo e mais alguma coisa. Algures em 2017 desactivei a conta durante uns meses. Quando fui de viagem nesse ano, voltei a activá-la e ia publicando algumas fotos. Depois disso cancelei-a novamente e há uma semana por insistência de algumas colegas minhas do aeroporto activei-a porque elas haviam partilhado fotos comigo e eu queria estar a par. Hoje apaguei-a novamente. Se o Instagram me foi importante numa determinada altura da minha vida, hoje já não me traz qualquer prazer. Sinto que perco tempo a ver fotos de outras pessoas, que na realidade não me…

A Amiga Genial | Elena Ferrante

Entediante, enfadonho, repetitivo. É assim que descrevo o primeiro livro da tetralogia da autora italiana que esteve nos tops de vendas.
Ouvi falar tanto destes livros, vi tantas vezes os ditos nas mãos de inúmeras pessoas, li várias criticas sempre favoráveis que a curiosidade foi crescendo. E, numa fase em que leio mais que nunca, comprei-o (sempre com a ideia de ler os 4 livros)... Como estava enganada. A Amiga Genial retrata a vida de duas amigas napolitanas e os seus episódios desde a infância até à juventude. Se acho que Ferrante tem uma escrita genial como muitos leitores apregoam? Não acho mas eu sou suspeita: gosto de ler Gabriel Garcia Marquez que me habituou a uma narrativa irrepreensível, por isso aqui não fiquei deslumbrada e esta obra não me aguçou o apetite para os restantes livros. Não percebo por isso o boom que esta saga teve porque a narrativa é bem confusa com tantos personagens, embora tenhamos uma lista de personagens logo no início. Não me fascinou e por isso desco…