Avançar para o conteúdo principal

As Happy as Sad Can Be | Underdogs Gallery


Patente na Galeria Underdogs, está a exposição "As Happy as Sad Can Be" da artista Wasted Rita, nome artístico. A depressão é aqui tema principal num mundo de falsa alegria e felicidade. 
Num ambiente amplo a exposição divide-se em quatro espaços, cada um abordando um tema específico entre neons e telas.

E como é que eu descobri esta galeria num local tão escondido? Eu conto-vos a história... Numa altura em que trabalhei em Santos, ia todos os dias ao Cais do Sodré apanhar os meus transportes e passava junto ao café Underdogs: Underdogs Art Store - uma mistura de café com loja de arte. Entrei lá e gostei do que vi. Fui à net pesquisar mais e descobri que tinham também uma galeria de arte. Até aqui tudo bem, tanto que me esqueci que lá gostaria de ir. Até que, de caminho para o Parque das Nações de mota, e por causa das obras que decorrem naquela zona, é-nos indicado um desvio. E nesse desvio há uma rua cujos edíficios fui prestanto atenção e de repente vislumbrei a placa dos Underdogs Gallery. Claro que a morta foi estacionada à pressa ali mesmo em cima do passeio e em passo rápido e entusiasmado, entro num ápice pelo espaço adentro. 
E assim fiquei a conhecer uma das galerias mais cool da cidade de Lisboa como também a artista Wasted Rita. 
Galeria Underdogs. R. Fernando Palha, 56. A ver até 18 de Novembro

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Countdown

O antes e o depois de uma viagem. O entusiasmo, a expectativa do desconhecido, o querer aventuras...
Faço uma viagem por ano para fora do país e estou a 24 horas de voltar a meter os pés dentro de um avião. Ok, trabalho no aeroporto e quase todos os dias entro dentro de aviões. Mas desta vez, e pela primeira vez desde que aqui trabalho, vou mesmo viajar.
E amanhã estarei atenta ao trabalho das colegas na Porta de Embarque.
Nantes aí vou eu, e prepara-te que farei aí 35 anos :-)

Eu e as redes sociais OU como já não tenho paciência para elas

Tenho Facebook, já tive Twitter, tenho conta no YouTube, tenho WhatsApp e vou activando e desactivando o meu Instagram. O Instagram é a minha relação com redes sociais mais complicada. Criei a minha conta do Insta em 2014 e desde aí tornei-me bastante activa na publicação de fotos, especialmente de fotos de viagens que fui fazendo. Depois comecei a seguir demasiadas contas e isso distraía-me demais e perdia imenso tempo a ver fotografias de tudo e mais alguma coisa. Algures em 2017 desactivei a conta durante uns meses. Quando fui de viagem nesse ano, voltei a activá-la e ia publicando algumas fotos. Depois disso cancelei-a novamente e há uma semana por insistência de algumas colegas minhas do aeroporto activei-a porque elas haviam partilhado fotos comigo e eu queria estar a par. Hoje apaguei-a novamente. Se o Instagram me foi importante numa determinada altura da minha vida, hoje já não me traz qualquer prazer. Sinto que perco tempo a ver fotos de outras pessoas, que na realidade não me…

A Amiga Genial | Elena Ferrante

Entediante, enfadonho, repetitivo. É assim que descrevo o primeiro livro da tetralogia da autora italiana que esteve nos tops de vendas.
Ouvi falar tanto destes livros, vi tantas vezes os ditos nas mãos de inúmeras pessoas, li várias criticas sempre favoráveis que a curiosidade foi crescendo. E, numa fase em que leio mais que nunca, comprei-o (sempre com a ideia de ler os 4 livros)... Como estava enganada. A Amiga Genial retrata a vida de duas amigas napolitanas e os seus episódios desde a infância até à juventude. Se acho que Ferrante tem uma escrita genial como muitos leitores apregoam? Não acho mas eu sou suspeita: gosto de ler Gabriel Garcia Marquez que me habituou a uma narrativa irrepreensível, por isso aqui não fiquei deslumbrada e esta obra não me aguçou o apetite para os restantes livros. Não percebo por isso o boom que esta saga teve porque a narrativa é bem confusa com tantos personagens, embora tenhamos uma lista de personagens logo no início. Não me fascinou e por isso desco…